Conhecer Brasília – DF depois de estudar direito é outra coisa… Acho que os estudantes de arquitetura e urbanismo tem a mesma sensação. Brasília, apesar do calor e do ar seco, é muito linda.

Estava no 2º período. A viagem começou na porta da faculdade em BH. Haviam estudantes da Faculdade de Direito Promove de Belo Horizonte e PUC-Minas, o que deu uma “mesclada” nos rostos. A grande maioria era de veteranos como eu, mas de períodos acima do meu e de um grupo de amigos. Só tinham 3 pessoas que eu conhecia mesmo: a Sinai, a Michelle e seu namorado, todos da mesma sala que eu. Os demais comecei a conhecer no caminho. Um bom ônibus foi alugado com contribuição da faculdade, o que gerou uma despesa considerávelmente baixa (o que para o bolsista aqui foi a glória).

No Plenário da Cãmara

Eu dentro do Plenário da Câmara dos Deputados

Viajei com pouco dinheiro e com um cartão de crédito sem um limite alto, afinal, já viu estudante bolsista do PROUNI com cartão de crédito de bacana? O plano era gastar o mínimo porque eu tinha grandes despesas (além de todas as despesas de estudo eu era casado na época…e vida de casado tem outras despesas), tipo o básico mesmo: comer, me locomover, beber alguma coisa e comprar algum item emergencial como remédios ou produtos de higiene pessoal. Me assustei com os preços do item alimentação em Brasília.

Em nossa primeira visita conhecemos o Congresso Nacional, união das duas Casas Legislativas do país, a Câmara e o Senado. O prédio é realmente lindo, foi construído com um primor de dar inveja no primeiro mundo. Conhecemos o funcionamento de ambas as casas, a forma com que foram formadas e quase todo seu ambiente de trabalho e atividade. Ao final, aproveitamos para assistir uma reunião do Senado no plenário deste com um visual que não vou esquecer de tão bonito. Neste dia, almoçamos num “bandejão” que fica num dos anexos. O preço compensou a enorme fila. Pra quem não conhece, o Congresso tem embaixo de suas construções uma verdadeira cidade com Bancos, agências dos Correios, lojas de artesanato e outros produtos, barbearias, churrascarias, lanchonetes e muitas, muitas salas mesmo.

Assistimos uma daquelas audiências públicas por alguns minutos que falavam sobre a inclusão da pessoa com deficência física e continuamos nosso caminho. Entramos pela porta da frente do Congresso e ao saírmos por outro ponto estávamos praticamente em frente ao Palácio do Planalto. Infelizmente não estava aberto à visitas por estar em obras.

Conhecemos ainda a PGR (Procuradoria Geral da União). Instalada em um dos prédios mais bonitos que pude visitar em Brasília, o prédio com projeto de Niemeyer parece se confundir com o céu. Conhecemos o funcionamento do

Galera na Esplanada dos Ministérios

A turma inteira na Esplanada - eu sentado ao centro

órgão e visitamos seu museu.

Não podia faltar a visita a sede nacional da Ordem dos Advogados do Brasil onde fomos calorosamente recebidos pelo vice-presidente, entre outros membros do Conselho Federal da OAB. Participamos de uma conferência sobre o funcionamento da Ordem, sua história e suas conquistas para os advogados brasileiros. Visitamos ainda o Museu da OAB com rico acervo à respeito da história da advocacia no Brasil e farto material para conhecimento dos trabalhos da OAB.

Por fim, conhecemos aquele que é o meu chodó: o STF – Supremo Tribunal Federal… Um belo prédio com muita história para contar e com toda a beleza ritualística de suas sessões plenárias. Sessões estas que decidem os principais temas da vida do povo brasileiro. Assistimos a uma dessas sessões presidida pelo Ministro Gilmar Mendes, ná época vice-presidente, pois a Corte era presidida pela Ministra Hellen Gracie, que se ausentou em virtude da reunião do CNJ, uma pena, pois sou fã do seu trabalho, mas vimos o Ministro Joaquim Barbosa, outro jurista que tenho grande admiração. O rigor dos trajes me surpreendeu. As moças de roupas com alças e sem “terninho” não puderam entrar trajadas assim e tiveram que tomar paletós emprestados para assistirem à sessão.

Sessão do STF em 12/06/2006

Sessão do STF em 12/06/2006

Em todos os prédios fomos acompanhados por guias muito bem instruídos e conhecedores dos órgãos, o que nos permitiu grande aprendizado.

É claro que fomos ao shopping, saímos pra dançar, andamos pela cidade à noite, mas esta foi uma viagem útil e de grande importância. Valeria a pena se as universidades investissem na possibilidade de seus alunos virem a conhecer da forma que conhecemos Brasília de uma maneira tão viva. Estudar direito e conhecer os poderes que criam, administram e fiscalizam a criação normativa, a execução das leis e geram o equilíbrio da democracia visto de tão perto, é uma experiência realmente instrutiva.

Anúncios